Sentidos e desafios da escrita acadêmica em um mestrado profissional

Raquel Aparecida Soares Reis Franco

Resumo

Neste texto, objetivamos compreender os sentidos e os desafios da escrita acadêmica dos discentes do Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT). Buscamos, assim, identificar o que se escreve e para que se escreve no ProfEPT e quais desafios os alunos enfrentam ao escrever academicamente no ProfEPT. Exploramos uma abordagem social do letramento e dos Letramentos Acadêmicos (STREET, 1984, LEA; STREET, 1998, IVANIČ, 1998). Este estudo é de natureza qualitativa, adota uma perspectiva etnográfica (GREEN; BLOOME, 1997) e integra uma pesquisa mais ampla que ocorreu durante o ano de 2020 em duas turmas do ProfEPT ofertadas pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) no campus Ouro Branco. A análise das condições de produção da escrita, nesse contexto de formação, evidencia que as práticas de escrita não se limitaram tão somente aos gêneros produzidos no contexto acadêmico (dissertação, projeto de pesquisa, produto educacional, artigo, resenha, resumo e fichamento), mas está relacionada também a práticas específicas da academia com usos e significados próprios, como a formulação de questões e a redação. Dentre outros aspectos observados, destacamos que o principal desafio enfrentado pelos discentes ao escrever academicamente no mestrado profissional relaciona-se com os aspectos identitários e, logo, intertextuais

Referências

BADENHORST, C.; GUERIN, C. Post/ Graduate research literacies and writing pedagogies. In: BADENHORST, C.; GUERIN, C. (Orgs.). Research literacies and writing pedagogies for masters and doctoral writers. Leiden: Brill, 2016.

BEZERRA, B. Gêneros acadêmicos em cursos de especialização: conjunto ou colônia de gêneros? RBLA, Belo Horizonte, v. 12, n. 3, p. 443-461, 2012.

BEZERRA, B. Letramentos acadêmicos e construção da identidade: a produção do artigo científico por alunos de graduação. Linguagem em (Dis)curso – LemD, Tubarão, SC, v. 15, n. 1, p. 61-76, jan./abr. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ld/v15n1/1518-7632-ld-15-01-00061.pdf. Acesso em: 14 dez. 2020.

BRASIL/ ProfEPT. Anexo ao Regulamento do ProfEPT. 2018. Disponível em: https://profept.ifes.edu.br/images/stories/ProfEPT/Turma_2018/Regulamento/Anexo-ao-Regulamento-2019.pdf. Acesso em: 21 abr. 2021.

CASTANHEIRA, Maria Lucia; GREEN, Judith L.; Dixon, Carol N. Práticas de letramento em sala de aula: uma análise de ações letradas como construção social. Revista Portuguesa de Educação, vol. 20, núm. 2, 2007, pp. 7-38. Universidade do Minho, Braga, Portugal. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/374/37420202.pdf. Acesso em: 21 abr. 2021.

CHASE, G. Accommodation, Resistance and the Politics of Student Writing. College Composition and Communication, vol. 39, nº. 1, 1988. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/357812?seq=1. Acesso em: 29 dez. 2020.

DE PAULA, D. A questão da identidade na escrita acadêmica. SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 21, n. 43, p. 86-104, 2º sem. 2017. Disponível em: file:///C:/Users/rasor/Downloads/14830-Texto%20do%20artigo-59880-1-10-20180115%20(1).pdf. Acesso em: 24 dez. 2020.

FIAD, R. A escrita na universidade. Revista da ABRALIN, v. Eletrônico, n. Especial, p. 357-369. 2. parte, 2011.

FIAD, R. S. Reescrita, dialogismo e etnografia. In: Linguagem em (Dis)curso, v. 13, n. 3, 2013, p. 463-480.

GREEN, J.; BLOOME, D. Ethnography and ethnographers of and in education: a situated perspective. In FLOOD, J; HEATH, Shirley; Lapp, D. (Ed.). Handbook of research on teaching literacy through the communicative and visual arts. New York: Simon & Schuster Macmillan, p. 181-202, 1997.

HEATH, S. B. Protean shapes in literacy events: ever-shifting oral and literate traditions. In: TANNEN, D. (Org.). Spoken and written language: exploring orality and literacy. Norwood, N.J.: Ablex, 1982. p. 91-117.

IVANIČ, R. Studies in written language and literacy: Writing and identity - the discoursal construction of identity in academic writing. 1998. Disponível em: https://ebookcentral.proquest.com. Acesso em: 21 abr. 2020.

KLEIMAN, A.; MATÊNCIO, M. Letramento e formação do professor: representações e construção do saber. Campinas: Mercado das Letras, 2005.

LEA, M. R.; STREET, B. V. Student writing in higher education: an academic literacies approach. In: Studies in Higher Education, Abingdon, Oxon, UK, v. 23, n. 2, p. 157-172, 1998.

LEA, M. R.; STREET, B. V. O modelo de "letramentos acadêmicos": teoria e aplicações. Tradução de Fabiana Komesu e Adriana Fischer. In: Filologia e Linguística Portuguesa, v. 16, n. 2, 2014, p. 477-493.

LEA, M. R. Academic Literacies and Learning in Higher Education Constructing knowledge through texts and experience. In: JONES, C., TURNER, J., & STREET, B. (Eds.). Students writing in the university: Cultural and epistemological issues. 1999. Disponível em: https://ebookcentral.proquest.com. Acesso em: 21 abr. 2020.

LILLIS, T.; SCOTT, M. Defining academic literacies research: issues of epistemology, ideology and strategy. Journal of Applied Linguistics. vol 4.1, 2007, p.5-32. Disponível em: http://www.equinoxpub.com/JAL/article/viewArticle/4563. Acesso em: 01 jun. 2012.

PARIS, P. Letramentos acadêmicos de doutorandos: entre mediações e publicações. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) - Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, Universidade de Campinas. Campinas. 2021.

NEVES, V. Tensões Contemporâneas no Processo de Passagem da Educação Infantil para o Ensino Fundamental: um Estudo de Caso. 2010, 271f. Tese (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Minas Gerais, BELO HORIZONTE, 2010.

SARMENTO, M. O estudo de caso etnográfico em educação. In: ZAGO, N; CARVALHO, M; VILELA, R. Itinerários de Pesquisa: perspectivas qualitativas em sociologia da educação. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011.

SCHNEUWLY, Bernard & DOLZ, Joaquim. Os gêneros escolares: das práticas de linguagem aos objetos de ensino. In: Revista Brasileira de Educação, nº 11, p.5-16, 1999.

STREET, B. V. Literacy in theory and practice. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

STREET, B. V. Introduction: the new literacy Studies. In: STREET, B. Cross-Cultural Approaches to Literacy. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.

STREET, B. V. Literacy and development: ethnographic perspectives on schooling and adult education. In: STREET, B. V. (Ed.). Literacy and Development: Ethnographic perspectives. London and New York: Routledge, 2001.

STREET, B. V. What’s “New” in New Literacy Studies? Critical approaches to literacy in theory and practice. Current Issues in Comparative Education. Teachers College, Columbia, University, 2003.

STREET, B. V. Políticas e práticas de letramento na Inglaterra: uma perspectiva de letramentos sociais como base para uma comparação com o Brasil. Cad. CEDES, vol.33 n. 89 Campinas Jan./Apr. 2013. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0101- 32622013000100004. Acesso em: 20 jun. 2014.

TERZI, S. B. A construção do currículo nos cursos de letramento de jovens e adultos não escolarizados. 2006. Disponível em: http://www.cereja.org.br/arquivos_upload/sylviaterzi.pdf. Acesso em: 01 abr. 2015.

WOLCOTT, H. F. Description, analysis, and interpretation in qualitative inquiry. In: WOLCOTT, H. F. (Org.). Transforming qualitative data: description, analysis, and interpretation. Thousand Oaks, CA: Sage, 1994. p. 9-54.