Historicidade das cartas de amor: circulação de manuais epistolares portugueses no Brasil do século XIX

Natanael Duarte de Azevedo,
José Temístocles Ferreira Júnior

Resumo

O presente ensaio sobre a historicidade das cartas de amor portuguesas busca compreender a composição do gênero carta pessoal de amor a partir de sua circulação no Brasil durante o grande século XIX: Secretario Portuguez, ou methodo de escrever cartas (1786), de Francisco José Freire; Mensageiro dos Amantes: Carcaz de Fréchas Amatorias; Manual Epistolar Galante (18--), de Damião Casamenteiro; Secretario Completo dos Amantes (19--), Imp. Lucas & Cª. Com essa investigação, podemos apresentar algumas contribuições para a História da Leitura e da Literatura, ancoradas no paradigma teórico das Tradições Discursivas, no que diz respeito ao gênero textual como objeto de pesquisa. Dada a natureza do trabalho, assumimos duas frentes do referencial teórico: para compreensão da carta de amor como gênero literário, nos apoiamos em Romero (1888), Barbosa (2011; 2012) e Castillo Gómez (2002); para os estudos diacrônicos do gênero, tomamos Kabatek (2005; 2012), Gomes (2007) e Zavam (2009). Com esse ensaio, identificamos que marcas composicionais da carta de amor se mantêm ao longo do recorte temporal, mesmo que haja mudanças significativas de ordens tipográficas, temáticas e de apropriação do sentido do amor.

Referências

ARAÚJO, J. S. Perfil do leitor colonial. Salvador: UFBA; Ilhéus: UESC, 1999. 502p.

BARBOSA, S. F. P. O conceito de literatura nos jornais do século XIX: um estudo dos jornais paraibanos. In: X Encontro Regional da ABRALIC, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: UERJ, 2005, p. 1-6.

BARBOSA, S. F. P. Códigos, regras e ornamentos nos secretários, manuais e métodos de escrever cartas: a tradição luso-brasileira. Veredas, Santiago de Compostela, n 15, p. 79-106, 2011.

BARBOSA, S. F. P. A escrita epistolar como prosa de ficção: as cartas do jornalista Miguel Lopes do Sacramento Gama. Revista Desenredo, Pelotas, v. 7, n. 2, p. 331-344, 2012.

CARVALHO, J. L. Q.; ZAVAM, A. Tradições Discursivas: conceitos e métodos para a análise diacrônica de gêneros. LaborHistórico, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 41-54, jan./jun. 2018. DOI https://doi.org/10.24206/lh.v4i1.17489. Acesso em: 15 outubro 2020

CASAMENTEIRO, D. Mensageiro dos Amantes: Carcaz de Fréchas Amatorias; Manual Epistolar Galante. 2ª ed. Rio de Janeiro: E. & H. Laemmert, 18--. 300p.

CASTILLO GÓMEZ, A. Del tratado a la práctica. In: CASTILLO GÓMEZ, C.; SÁEZ, Antonio y. La correspondencia en la Historia. Modelos y práctica de la escritura epistolar: Actas del VI Congreso Internacional de Historia de la Cultura Escrita, vol. I. Valencia/Espanha: Calambur Editorial, 2002, p. 79-107.

CHARTIER, R. O mundo como representação. Estudos Avançados, São Paulo, v. 5, n. 11, p. 173- 191, 1991. DOI http://doi.org/10.1590/S0103-40141991000100010. Acesso em: 08 outubro 2020.

CHARTIER, R. A ordem dos livros. Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 1998. 162p.

CHARTIER, R. Leituras e leitores na França do Antigo Regime. Trad. Álvaro Lorencine. São Paulo: Editora UNESP, 2004. 396p.

CHOPPIN, A. O historiador e o livro escolar. Revista História da Educação/ASPHE/UFPEL, Pelotas, v. 6, n 11, p. 5-24, 2002.

DICCIONARIO DA LINGUAGEM DAS FLORES. 3 ed. Lisboa: Thypographia Lusitana, 1868. 295p.

EL FAR, A. Páginas de Sensação: Literatura popular e pornográfica no Rio de Janeiro (1870-1924). São Paulo: Companhia das Letras, 2004. 376p.

FREIRE, F. J. Secretario Portuguez, ou methodo de escrever cartas. 5 ed. Lisboa: Officina de Antonio Gomes, 1786. 500p.

GOMES, V. S. Traços de mudança e de permanência em editoriais de jornais pernambucanos: da forma ao sentido. 314f. Tese (Doutorado em Linguística) – Centro de Artes e Comunicação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.

HANSEN, J. A. Para ler as cartas do P.e Antônio Vieira. Teresa. Revista de Literatura Brasileira. DLCV, FFLCH, USP, São Paulo, n.º 8/9, p. 264-299, 2008.

HOBSBAWM, E. J. A era dos impérios: 1875-1914. Trad. Sieni Maria Campos e Yolanda Steidel de Toledo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988. 588p.

KABATEK, J. Sobre a historicidade dos textos. Trad. José da Silva Simões. Linha d’água, n. 17, p. 159-170, 2005. DOI: http://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v0i17p157-170. Acessado em: 20 de setembro de 2020.

KABATEK, J. Tradição discursiva e gênero. In LOBO, T. et al (Org.). Rosae: linguística histórica, história das línguas e outras histórias [online]. Salvador: EDUFBA, p. 579-588, 2012. Disponível em: http://books.scielo.org/id/67y3k/pdf/lobo-9788523212308-42.pdf. Acesso em: 20 de outubro 2020.

LAJOLO, M. Romance epistolar: o voyeurismo e a sedução dos leitores. Matraga, Rio de Janeiro, v. 1, n. 14, p. 61-75, 2002.

LEWIS. C. S. Alegoria do Amor: um estudo da tradição medieval. São Paulo: Realizações Editora, 2012. 400p.

RIAUDEL, M. Correspondência secreta. In: GALVÃO, W.; GOTLIB, N. B. (Orgs.). Prezado senhor, Prezada senhora – Estudos sobre cartas. São Paulo: Companhia das Letras, 2000, p. 95-99.

ROMERO, S. História da literatura brasileira. BL Garnier, Rio de Janeiro, 1888. 720p.

ZAVAM, A. Por uma abordagem diacrônica dos gêneros do discurso à luz da concepção de tradição discursiva: um estudo com editoriais de jornais. 420f. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2009.