Resumo

A reunião dos contos do autor dos Pontos de Gramática Histórica é uma importante contribuição para o reconhecimento desse autor, quase totalmente desconhecido como poeta, contista e cronista. Depois de disponibilizado virtualmente o Espólio de Ismael de Lima Coutinho pelo CiFEFiL, interessantes trabalhos vêm sendo realizados a partir de seus textos até então inéditos. Pretende-se mostrar aqui a contribuição da crítica textual na divulgação de importantes trabalhos pouquíssimo conhecidos, para a restauração dos valores de autores que tanto contribuíram para o progresso da cultura intelectual em nosso país, com as reflexões sobre a edição dos Contos Ingênuos, que Ismael de Lima Coutinho escreveu, sob o pseudônimo de João da Chagas.

Considerações iniciais

Encontram-se nos espólios de Ismael de Lima Coutinho1, que estavam sob a guarda do Prof. Rosalvo do Valle, sete contos anotados ou revisados pelo autor, inclusive com um índice (cuja folha se partiu, perdendo-se a segunda metade), em que são relacionados para uma possível publicação, sob o pseudônimo de João das Chagas. (Cf. CHAGAS, 2011)

Na edição que preparamos, foi feita sua transcrição, com a atualização ortográfica, com base na Nova Ortografia da Língua Portuguesa (SILVA, 2010) e anotações sobre o estado dos respectivos manuscritos e datiloscritos (rasuras, emendas, borrões etc.)2, com o objetivo específico de divulgar a obra do autor, até então completamente desconhecido como contista.

Como apêndice aos contos foram transcritos cinco textos menores, que me parecem ser rascunhos ou primeiras versões de crônicas destinadas a publicação em jornais da época.

Dessas crônicas, apenas uma foi escrita a tinta. As demais foram escritas a lápis, sinal provável de que ainda não estão em sua forma definitiva.

Como se entende que a ocupação básica do filólogo3 consiste em resgatar e cultura dos povos preservada em textos ou “resgatar a língua como expressão de uma cultura”, como consta na CBO – Classificação Brasileira de Ocupações4, preparando edições dos textos (além de outras formas de preservação), cuidamos de editar as obras literárias de Ismael de Lima Coutinho, das quais preparamos, em 2011, a edição interpretativa de dois volumes de poesia (Bosquejos e Silhuetas) em suporte impresso e eletrônico, que já serviram de corpus para diversos trabalhos acadêmicos em 2015 e 2016, e os Contos Ingênuos, além da edição fac- similar, em suporte eletrônico, de toda a sua obra recuperada, em Espólio de Ismael Coutinho.5

Neste artigo, trataremos mais precisamente dos Contos Ingênuos, publicados sob o pseudônimo de João das Chagas, sugerindo que os especialistas avaliem a qualidade literária da obra e que a divulguem entre seus pares, para o justo resgate de seu autor, falecido em plena atividade, em acidente automobilístico.

1. Contos Ingênuos

Na época em que faleceu (1965), o Prof. Ismael de Lima Coutinho, mais conhecido no meio acadêmico pela autoria de seus Pontos de Gramática Histórica (COUTINHO, 1962) estava iniciando o preparo de seus trabalhos literários para publicação, sendo que apenas o primeiro volume de poesias (Bosquejos) estava completamente pronto, mas já estava em andamento a organização do segundo volume de poesias (Silhuetas) e o volume de contos (Contos Ingênuos).

Eleito virtualmente para ser o homenageado pelo Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos no Congresso Nacional de Linguística e Filologia realizado em 2011, buscou-se, através de sua família, algo inédito de sua autoria para se publicar como parte da homenagem.

Autorizado por suas filhas, e informado de que seu espólio se encontrava sob a guarda do Prof. Rosalvo do Valle, fomos ao apartamento dele e resgatamos tudo (ou quase tudo) que até hoje se conhece da produção acadêmica de Ismael Coutinho.

Era nossa intenção, naquele momento, preparar também uma edição crítica de seus Pontos de Gramática Histórica, posteriormente reeditados simplesmente como Gramática Histórica. Fomos levados a desistir, no entanto, ante a oposição da empresa que detém o direito de edição da obra, apesar de já termos digitado todo o volume da última edição em vida do autor e de havermos adquirido todas as edições anteriores e algumas posteriores.

A preparação dos Contos Ingênuos estava iniciada, com um índice que relacionava os textos que seriam incluídos no volume, entre os quais estava um conto intitulado “O Dourado”, que não foi encontrado no espólio.

No volume que organizamos, foram incluídos os sete contos que encontramos: “A Pedra Lisa”, “O Velho Tropeiro”, “Tio Jacinto”, “O Benedito”, “O Negro Eugênio”, “O Santo Eremita” e, apesar de incompleto, o conto “Almas Penadas”. Não conseguimos encontrar o referido próximo número do jornal Município, de Lavras (MG), que deve ter saído depois do dia 17 de fevereiro de 1924. Portanto, é possível que em uma próxima edição, esse conto seja publicado integralmente.

No volume que organizamos, foram incluídos também cinco pequenos textos inéditos, que identificamos, genericamente, como crônicas.

1.1 Características da edição

Apesar de iniciado o preparo de uma versão para ser publicada em suporte impresso, ainda não foi concluída essa publicação, que está sendo programada para este ano de 2016, na qual, além da edição interpretativa, será incluída a edição fac-similada, com o registro documental dos originais para os possíveis estudos futuros de crítica textual ou genética e para serem utilizados em outros estudos linguísticos e filológicos.

Como os originais manuscritos e datiloscritos estão disponíveis, conforme indicado nas referências bibliográficas, foram simplificadas as notas filológicas relativas a rasuras, variação ortográfica etc., para tornar a leitura mais leve ao leitor comum. Ou seja: a disponibilidade desses originais manuscritos e datiloscritos ao leitor especializado (linguista, crítico literário, filólogo, historiador etc.) elimina a necessidade de algumas das notas que o filólogo-editor precisaria inserir em uma edição crítica e/ou interpretativa.

No volume publicado virtualmente em 2011, incluímos cinco “crônicas” que estavam manuscritas a lápis, o que nos leva a supor que ainda não estavam redigidas em sua forma definitiva. Por isto, não incluiremos seus registros manuscritos porque são documentos ainda não conclusos e, por isto, podem trazer elementos do estilo do autor que não seriam abonados por ele, visto não estarem concluídos. Na edição que estamos concluindo para publicação, serão incluídos os fac- símiles dos manuscritos dos sete contos, além de uma segunda edição interpretativa revisada com atualização ortográfica.

As anotações apresentadas aqui se referem sempre, no entanto, aos textos já editados e disponíveis a quem desejar consultar, com os respectivos links para a versão virtual de 2011.

Considerações finais

Esperamos e desejamos que este artigo leve o leitor ao conhecimento do contista e poeta Ismael de Lima Coutinho, até recentemente conhecido quase exclusivamente como o autor da Gramática Histórica, assim como de sua vasta produção acadêmica e literária disponibilizada virtualmente no Espólio.

Evitamos, propositalmente, tratar teoricamente de crítica textual, visto que já estava previamente informado que haveria um substancioso capítulo dessa natureza. Por isto, nossa contribuição consistiu na revelação da produção literária de Ismael de Lima Coutinho, principalmente, de seus Contos Ingênuos, mostrados na inclusão anexa da página inicial dos manuscritos e da edição virtual disponibilizada, conforme indicado nas referências.

Referências

CHAGAS, João das. [Ismael Coutinho]. Contos ingênuos e outros textos inéditos. Organização, edição e notas de José Pereira da Silva. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2011. Disponível em:

COUTINHO, Ismael de Lima. Bosquejos. Organização, edição e notas de José Pereira da Silva. Prefácio de Luíza Lobo. Rio de Janeiro: JM Botelho, 2011a. Disponível também com edição sonora em: . Fac-símile dos originais manuscritos disponíveis em: .

COUTINHO, Ismael de Lima. Espólio de Ismael Coutinho. Organização e edição de José Pereira da Silva. Rio de Janeiro: JM Botelho, 2011b. CD-ROM. Disponível em: .

COUTINHO, Ismael de Lima. Gramática histórica. 5. ed. rev. e aum. Rio de Janeiro: Acadêmica, 1962 [1938]

COUTINHO, Ismael de Lima. Silhuetas. Organização, edição e notas de José Pereira da Silva. Prefácio de Luíza Lobo. Rio de Janeiro: Botelho, 2011c. Disponível também com edição sonora em: . Fac- símile dos originais manuscritos disponíveis em:

SILVA, José Pereira da. Nova ortografia da língua portuguesa. 2. ed. Niterói: Impetus, 2010.

Recebido em 10/10/2016 e aceito em 06/12/2016.

Anexos:

Figure 1.

ANEXO 1a: A Pedra Lisa, folha 1

Figure 2.

ANEXO 1b: A Pedra Lisa, página 3 6

Figure 3.

ANEXO 2a: O Velho Tropeiro 7

Figure 4.

ANEXO 2b: O Velho Tropeiro, página 23 8

Figure 5.

ANEXO 3a: Tio Jacinto 9

Figure 6.

ANEXO 3b: Tio Jacinto, página 38 10

Figure 7.

ANEXO 4a: O Benedito 11

Figure 8.

ANEXO 4b: O Benedito, página 49 12

Figure 9.

ANEXO 5a: O Negro Eugênio 13

Figure 10.

ANEXO 5b: O Negro Eugênio, página 58 14

Figure 11.

ANEXO 6a: O Santo Eremita 15

Figure 12.

ANEXO 6b: O Santo Eremita, página 68 16

Figure 13.

ANEXO 7a: Almas Penadas 17

Figure 14.

ANEXO 7b: Almas Penadas, página 80 18