Formação docente: letramento digital para o ensino remoto de língua portuguesa

Ivoneide Bezerra de Araújo Santos-Marques,
Maria do Socorro Oliveira,
Alana Driziê Gonzatti dos Santos

Resumo

A necessidade de planejamento estratégico para viabilizar o ensino remoto de Língua Portuguesa na educação básica tem sido um desafio para a escola e para as instituições de ensino que atuam como agências formadoras de professores durante a pandemia da Covid-19. Com vistas a oferecer subsídios que auxiliem esses profissionais no planejamento de atividades didáticas, mobilização de saberes e desenvolvimento de práticas de letramento nesse novo formato de ensino, discutimos neste estudo ações de formação continuada e possibilidades de inovação e mudanças na prática pedagógica a serem construídas por professores situados em contextos de crise sanitária e  social. Teoricamente, este estudo ancora-se na concepção bakhtiniana de linguagem, nos estudos de letramento crítico centrados no domínio digital, nas contribuições advindas dos estudos de letramento do professor e de gêneros discursivos. Metodologicamente, configura-se como uma pesquisa qualitativa e interpretativista de caráter fortalecedor, informada por instrumentos de natureza etnográfica (questionários, notas de campo, gravação em áudio e vídeo, chats, sessões reflexivas, entre outros). A análise dos dados aponta ser preciso (re)pensar a formação continuada de professores, considerando os seguintes aspectos: 1) aproximação entre teoria e prática; 2) necessidade de domínio de recursos midiáticos e tecnológicos pelos professores; e 3) utilização de recursos de inovação e mudança, a fim de que estes possam ampliar seus letramentos digitais e dar melhores respostas às inúmeras demandas de usos sociais da linguagem que lhes são impostas no atual contexto de ensino remoto

Referências

BRASIL. Resolução CNE/CP 2/2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (Cursos de licenciatura, de formação pedagógica para graduados e de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial da União. Brasília, 2 jul. 2015, seção 1, p. 8-12. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Conselho Nacional de Educação. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília: MEC, SEB, 2018.

DUDENEY, G.; HOCKLY, N.; PEGRUM, M. Letramentos digitais. São Paulo: Parábola Editorial, 2016.

FREIRE, P . Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

FREIRE, P.; GUIMARÃES, S. Educar com a mídia: novos diálogos sobre educação. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

FREIRE, P.; SHOR, I. Medo e Ousadia: o cotidiano do professor. Tradução de Adriana Lopez. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

GIROUX, H. A. Cruzando as fronteiras do discurso educacional: novas políticas em educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999. 298 p.

HEATH, S. B. Ways with words. Cambridge: Cambridge University Press, 1983.

JANKS, H. Critical literacy in teaching and research. Education Inquiry, vol. 4, n. 2, june 2013, p. 225–242.

KALANTZIS, M.; COPE, B.; PINHEIRO, P. Letramentos. Campinas: Editora Unicamp, 2020.

KINCHELOE, J. L. A formação do professor como compromisso político: mapeando o pós-moderno. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

KLEIMAN, A. B. (Org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1995.

KLEIMAN, A. B. (Org.). Letramento e formação do professor: quais as práticas e exigências no local de trabalho? In: A formação do professor. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2001, p. 39-68.

KLEIMAN, A. B. Processos identitários na formação profissional – o professor como agente de letramento. In: CORRÊA, M. L. G.; BOCH, F. (Org.). Ensino de língua: representação e letramento. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2006. p. 75-91.

KLEIMAN, A. B. Agenda de pesquisa e ação em Linguística Aplicada: problematizações. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.) Linguística Aplicada na modernidade recente: Festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola Editorial, 2013, p. 39-58.

KLEIMAN, A. B. Letramento na contemporaneidade. Bakhtiniana, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 72-91, ago/dez, 2014.

KLEIMAN, A. B.; SANTOS MARQUES, I. B. A. Letramento crítico em contextos de crise: o papel da escola na era da pós-verdade e de Fake News. In: Letramentos na, para e além da escola. / Dorotea Frank Kersch, Glícia Azevedo Tinoco, Renata Garcia Marques e Vaneíse Andrade Fernandes (Org.). Campinas: Editora Pontes, 2020.

MCLAREN, P. A pedagogia da utopia. Santa Cruz do Sul, RS: EDUNISC, 2001.

MILLER, C. R. Estudos sobre: gênero textual, agência e tecnologia. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2009.

MOITA LOPES, L. P. Pesquisa interpretativista em Linguística Aplicada: a linguagem como condição e solução. D.E.L.T.A., São Paulo, v. 10, n. 2, p. 329-338, 1994.

NÓVOA, António. Formação de professores e trabalho pedagógico. Lisboa: Ed. Educa, 2002, p. 22.

OLIVEIRA, M. S.; KLEIMAN, A. B. Letramentos múltiplos: agentes, práticas e representações. Natal: EDUFRN, 2008.

RIBEIRO, A. E.; COSCARELLI, C. V. Letramento digital. In: Glossário Ceale: Termos de alfabetização, leitura e escrita para educadores. Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita da Faculdade de Educação da UFMG, 2005. Disponível em: http://www.ceale.fae.ufmg.br/app/webroot/glossarioceale/verbetes/letramento-digital. Acesso em: 27 Fev 2021.

SANTOS, B. de S. A cruel pedagogia do vírus. Coimbra: Eduções Almedina, 2020.

SANTOS-MARQUES, I. B. A. A formação de professores de língua portuguesa: projetos de letramento, agência e empoderamento. In: KLEIMAN, A. B.; ASSIS, J. A. Significados e ressignificações do letramento: desdobramentos de uma perspectiva sociocultural sobre a escrita. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2016, p. 111-142.

SANTOS-MARQUES, I. B. A.; KLEIMAN, A. B. Projetos, oficinas e práticas de letramento: leitura e ação social. Revista ComSertões – Juazeiro-BA, v.7, n.1, julho-dezembro 2019, p. 16-34.

SHOR, I. What is Critical Literacy? Journal of Pedagogy, Pluralism, and Practice. v. 1, Issue 4, Article 2, 1999.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

UNESCO. Planning for innovation in education. Paris: International institute for educational planning, 1996.

VOLÓCHINOV, V. (Círculo de Bakhtin). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Tradução, notas e glossário Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. Ensaio introdutório de Sheila Grilo. São Paulo, Editora 34, 2017.