Um padrão de pronúncia para mudar o status da língua falada no Brasil

Luciano Monteiro

Resumo

Este artigo analisa pela perspectiva da História das Ciências o Primeiro Congresso da Língua Nacional Cantada, que foi organizado por Mário de Andrade em 1937. A reconstrução historiográfica se baseia nos debates sobre a padronização da pronúncia realizados durante o evento. Naquele momento, estava em jogo o status ontológico da variedade brasileira em relação ao português europeu, e a iniciativa de padronização protagonizada por Mário de Andrade colocava o saber linguístico em circulação no país a serviço desse debate. O trabalho apresenta uma leitura crítica das fontes, situa o evento no contexto intelectual da década de 1930 e examina como nele se articularam as interpretações políticas, estéticas e científicas daquilo que se entendia como “língua nacional”. A conclusão é que, apesar de pouco conhecido, esse foi um dos eventos mais importantes da história dos estudos linguísticos no Brasil. Embora não seja simples distinguir um legado, sua relevância se traduz, sobretudo, na permanência, nas décadas seguintes, dos problemas discutidos durante o evento.

Referências

ALTMAN, Maria Cristina Salles. A pesquisa linguística no Brasil (1968-1988). São Paulo: Humanitas, 2004.

Anais do Primeiro Congresso da Língua Nacional Cantada. São Paulo: Departamento de Cultura, 1938.

ANDRADE, Mário de. Cartas de trabalho: correspondência com Rodrigo Mello Franco de Andrade (1936-1945). Brasília: SPHAN, 1981.

ANDRADE, Mário de. Ensaio sobre a música brasileira. São Paulo: Livraria Martins, 1962.

BACELLAR, Carlos. Uso e mau uso dos arquivos. In: PINSKY, Carla Bassanezi (Org). Fontes Históricas. São Paulo. Contexto, 2008, p. 23-79.

BARROS, José D’Assunção. Fontes históricas: introdução aos seus usos historiográficos. Petrópolis: Vozes, 2019.

BOMENY, Helena. Um poeta na política: Mário de Andrade, paixão e compromisso. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2012.

FLECK, Ludwik. Gênese e desenvolvimento de um fato científico: introdução à doutrina do estilo de pensamento e do coletivo de pensamento. Tradução Georg Otte; Mariana Camilo de Oliveira. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010.

GINZBURG, Carlo. “Além do exotismo: Picasso e Warburg”. In: Relações de força. História, retórica, prova. São Paulo: Cia. das Letras, 2002.

HERR, Martha. Mudanças nas Normas para a boa pronúncia da língua portuguesa no canto e no teatro no Brasil: 1938, 1956 e 2005. Per Musi, v. 15, p. 35-40, 2007. Disponível em: http://musica.ufmg.br/permusi/permusi/port/numeros/15/num15_cap_03.pdf. Acesso em: 17 maio 2019.

LIMA, Nísia Trindade; HOCHMAN, Gilberto. Condenado pela raça, absolvido pela medicina: o Brasil descoberto pelo movimento sanitarista da Primeira República. In: MAIO, M. C.; SANTOS, R. V. (Org.). Raça, ciência e sociedade. Rio de Janeiro: CCBB/Fiocruz, 1996, p. 23-40.

MONTEIRO, Luciano. O Primeiro Congresso da Língua Nacional Cantada: uma página esquecida na história da linguística. Porto das Letras, v. 6, n. 5, p. 245-271, 2020. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/10180/17784. Acesso em: 17 dez. 2020.

MOTTA, Marly da Silva. A Nação faz 100 anos: a questão nacional no centenário da Independência. Rio de Janeiro: CPDOC / FGV, 1992. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/6770/113.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 4 maio 2019.

NASCENTES, Antenor. O Idioma Nacional. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1960.

PEREIRA, Maria Elisa. Lundu do escritor difícil: canto nacional e fala brasileira na obra de Mário de Andrade. São Paulo: UNESP, 2006.

PINTO, Edith Pimentel (Org.). O Português do Brasil: textos críticos e teóricos vol. 2: 1920-1945 – Fontes para a teoria e a história. São Paulo / Rio de Janeiro: EdUSP / Livros Técnicos e Científicos, 1981.

SERPA, Élio. Congresso da Língua Nacional Cantada de 1937: a insensatez maravilhosa da militarização das vogais. Nacionalismo Raça e Língua. Diálogos Latinoamericanos, v. 3, p. 71-86, 2001. Disponível em: https://lacua.au.dk/fileadmin/www.lacua.au.dk/publications/3_di__logos_latinoamericanos/3linguanacional.pdf. Acesso em: 18 out. 2018.

SÉRIOT, Patrick. Estrutura e totalidade – As origens intelectuais do estruturalismo na Europa Central e Oriental. Campinas; Cárceres: Unicamp; Unemat, 2016.

TRAVASSOS, Elizabeth. Os mandarins milagrosos: arte e etnografia em Mário de Andrade e Béla Bartók. Rio de Janeiro: Funarte / Jorge Zahar, 1997.

VEIGA, Manuel. O estudo da modinha brasileira. Revista de Música Latinoamericana, v. 19, n. 1, p. 47-91, 1998. Disponível em: http://sci-hub.se/10.2307/780255. Acesso em: 14 maio 2021.