Resumo

No contexto acadêmico somos frequentemente surpreendidos com abordagens de uso do seminário acadêmico que restringem-no a um mero instrumento de avaliação de desempenho, apesar de seu alto potencial sinérgico. Com isso em mente, o objetivo deste estudo é analisar quais as contribuições dos pressupostos teórico-metodológicos da rubrica para a construção de um instrumento de avaliação diagnóstica, direcionado às práticas de ensino do seminário acadêmico. Para tanto, unimos os métodos previstos nas escalas de classificação e nas rubricas descritivas (SUSKIE, 2009) para transpor as operações das capacidades de linguagem e elementos constitutivos do seminário acadêmico, e transformá-los em critérios e descritores que servem como parâmetros para avaliação diagnóstica do gênero em tela. A fundamentação teórica tem como base o interacionismo sociodiscursivo (BRONCKART, 1999), estudos sobre capacidades de linguagem (DOLZ; PASQUIER; BRONCKART, 1993; CRISTOVÃO; STUTZ, 2011) e modelo didático (CRISTOVÃO, 2001), articulados com as discussões sobre a concepção de avaliação diagnóstica (LUCKESI, 2001; FURTOSO, 2011; SOUZA, 2015) e com as definições de rubrica em termos de método (SUSKIE, 2009; BROOKHART, 2013) e de dimensão conceitual (BIAGIOTTI, 2005). Os resultados apontam o fortalecimento do aspecto diagnóstico de avaliação do seminário acadêmico, considerando o processo de didatização dos saberes que instituem esse artefato no seu vínculo com a atividade de apresentação. Além disso, verificamos que a rubrica ofertou um meio para categorização de expectativas, abordadas neste estudo como critérios criados com base nos elementos constitutivos do gênero e como descritores para interpretação das operações de linguagem, mobilizadas durante diferentes fases de apresentação do seminário.