A ecologia digital argumentativa: possibilidades e perspectivas para uma análise retórica da argumentação multimodal

Rodrigo Seixas

Resumo

O objetivo deste artigo é o de apresentar algumas perspectivas para o estudo da argumentação digital, isto é, possibilidades de pensá-la, aproveitando alguns dispositivos retórico-discursivos de análise, tais como a doxa, em sua relação com a memória (tecno)discursiva e o interdiscurso, e, ao mesmo tempo, reconfigurando-os devido às especificidades impostas pelo espaço digital, em especial o espaço Web 2.0. Diante da profusão de textos multimodais próprios das redes sociais, lançaremos algumas luzes para a análise de textos nativo digital, multimodais, compostos por algumas publicações do Instagram, reunidas sob as tags #forabolsonaro e #impeachmentbolsonaro, no contexto que envolveu, antes e depois, as manifestações do 7 de setembro. Interessou-nos, em específico, a construção dos posicionamentos dos sujeitos, autores dos (re)publicações, a partir de uma perspectiva de análise retórico-discursiva que toma de empréstimo algumas contribuições teóricas de abordagens retórico-discursivas como as de Angenot (2008), Meyer (2008) e Seixas (2019). Chegamos às considerações, a partir dessa empreitada, que – em termos teórico, metodológico e analítico – é possível proceder a uma análise retórico-discursiva no espaço digital, valendo-se de elementos de análise já consagrados na retórica e na análise do discurso, desde que sejam reconfigurados e recondicionados às especificidades do discurso digital, tal como defende Paveau (2021).

Referências

AMOSSY, R. A argumentação no discurso. São Paulo: Contexto, 2020.

ANGENOT, M. Dialogues de sourds. Paris : Mille et une nuits/Fayard, 2008.

BRANDINO, G ; GALF, R; FERREIRA, F. Entenda potenciais crimes de Bolsonaro nos atos de 7 de Setembro e possíveis consequências. Folha de São Paulo, São Paulo, 8, set. 2021. FolhaJus. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2021/09/entenda-os-potenciais-crimes-de-bolsonaro-nos-atos-do-7-de-setembro.shtml?origin=uol. Acesso em: 14, set. 2021.

CHARAUDEAU, P. Uma teoria dos sujeitos da linguagem. In: MARI, H et alii. Análise do discurso: fundamentos e práticas. Belo Horizonte: Núcleo de Análise do Discurso –FALE/UFMG, 2001. p. 23-37.

CHAVES, E.S. Mulheres de direita, imprensa e o golpe de 1964: a “marcha” noticiada. Rev. Hist. UEG - Morrinhos, v.10, n.2, e-022104, jul./dez. 2021

GALLINARI, M. Hipóteses para uma análise discursiva das imagens. In: MENDES, E; MACHADO, I.L; LIMA, H; LYSARDO-DIAS, D (orgs.). Imagem e discurso. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2013, p. 355-369.

GILSTER, P. Digital literacy. New York: Wiley, 1997.

GREIMAS, Algirdas J. De l'imperfection. Périgueux: Pierre Fanlac, 1987.

KRESS, G; VAN LEEUWEN, T. Multimodal discourse: the modes and media of contemporary communication. London: Arnold, 2001.

LARA, G. Entre o sincrético e o visual : uma análise de publicidade chinesas. In: MENDES, E; MACHADO, I.L; LIMA, H; LYSARDO-DIAS, D (orgs.). Imagem e discurso. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2013, p. 194-216.

MENDES, E. Análise do discurso e iconicidade: uma proposta teórico-metodológica. In: MENDES, E; MACHADO, I.L; LIMA, H; LYSARDO-DIAS, D (orgs.). Imagem e discurso. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2013, p. 125-156.

MERZEAU, L. Du signe à la trace, ou l’information sur mesure. Hermès, Paris, n. 53, p. 23-29, 2009. DOI https://doi.org/10.4267/2042/31471.

MEYER, M. Principia rhetorica: une théorie générale de l’argumentation. Paris : Fayard, 2008.

MOIRAND, S. L’événement « saisi » par la langue et la communication. Cahiers de Praxématique, Montpellier, n. 63, p. 1-25, 2014. DOI : https://doi.org/10.4000/praxematique.2362.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Em guarda contra o ‘Perigo Vermelho’: o anticomunismo no Brasil (1917-1964). São Paulo: Perspectiva/Fapesp, 2002.

PAVEAU, M.A. Os pré-discursos: sentido, memória, cognição. Campinas/SP: Pontes Editores, 2013.

PAVEAU, M.A. Análise do discurso digital: dicionário das formas e das práticas. Campinas/SP: Pontes Editores, 2021.

PERELMAN, C; OLBRECHTS-TYTECA, L. Tratado da argumentação: a nova retórica. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

RATO. In: DICIONÁRIO eletrônico Houaiss de Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2021. Disponível em: https://houaiss.uol.com.br/corporativo/apps/uol_www/v5-4/html/index.php#1. Acesso em: 15 ago. 2021.

SEIXAS, R. Entre a retórica do impeachment e a do golpe: análise de lógicas argumentativas na doxa política brasileira. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019.

SEIXAS, R; NASCIMENTO, L. Impeachment ou morte: a configuração retórica de um evento polêmico no espaço público digital. Rev. Estud. Ling., Belo Horizonte, v. 29, n. 4, p. 2397-2428, 2021. DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.29.4.2397-2428.

ZAPPAVIGNA, M. Searchable Talk: The Linguistic Functions of Hashtags. Social Semiotics, [S.l.], v. 25, n. 3, p. 1-18, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1080/10350330.2014.996948.