As molduras argumentativas do Instagram: design descritivo-analítico de interação multimodal

Ana Paula de Sousa Bacelar,
Rubens Damasceno-Morais

Resumo

A análise apresentada neste artigo busca dimensionar os comentários on-line do perfil @escolasempartidooficial num plano teórico metodológico que articula princípios da Netnografia ao aparato teórico do modelo dialogal da argumentação. Para a construção do design de interação multimodal do Instagram, conjugamos contribuições teóricas da Argumentação e da Retórica (PLANTIN, 2002, 2005, 2008, 2009, 2011, 2016; GRACIO, 2013) à literatura específica das mídias digitais (DIONÍSIO, 2011; ROJO, 2012; NEIVA, 2013; SLOAN; QUAN-HAASE, 2017; KOZINETS, 2014). Partimos da ideia de que, na página analisada, a identidade profissional docente é posta em questão quando ocorre o choque de posicionamentos dos docentes e do Escola Sem Partido sobre “o que é ser professor”. Conforme buscaremos mostrar a seguir, a partir dessa estase, os usuários (seguidores e não-seguidores) passam a manifestar as suas avaliações através de ícones de interação específicos da plataforma e, principalmente, dos comentários que, no deslinde da discussão, fundam cadeias de interação organizadas em molduras argumentativas.

Referências

AMARAL, A. Etnografia e pesquisa em cibercultura: limites e insuficiências metodológicas. Revista USP, São Paulo, n.86, p. 122-135, junho/agosto 2010.

BACELAR, A.P. S. Mobilizações do @escolasempartidooficial no Instagram: análise netnográfica da interação on-line a partir do modelo dialogal da argumentação. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, 2021.

CABRAL, A. L. T.; LIMA N. V. Argumentação e polêmica nas redes sociais: o papel de violência verbal. Signo, Santa Cruz do Sul, v. 42, n. 73, p. 86-97, jan.-abr. 2017.

DIONISIO, A. P. Gêneros textuais e multimodalidade. In: KARWOSKI, A. M.; GAYDECZKA, B.; BRITO, K. S. (Orgs.). Gêneros textuais: reflexões e ensino. São Paulo: Parábola, 2011.

DOURY, M. Argumentation – Analyser textes et discours. Paris: Armand Colin, 2016.

DUBAR, C. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. Tradução: Andreia Stahel M. da Silva. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1991.

GRÁCIO, R. A. Vocabulário crítico de argumentação. Prefácio de Rui Pereira. Coimbra: Grácio Editor/Instituto de Filosofia da Linguagem da Univ. Nacional de Lisboa, 2013.

HINE, Christine. Virtual Ethnography. London: Sage, 2000.

KOZINETS, R. Netnografia: realizando pesquisa etnográfica online. Porto Alegre: Penso, 2014.

MARCELO, C. A identidade docente: constantes e desafios. Autêntica, Belo Horizonte, v. 01, n. 01, p. 109-131, ago./dez. 2009.

MOURA, K. F.; MANDAJI, C. F. da S. A relação das hashtags com as palavras de ordem presentes nas Manifestações Brasileiras de 2013. In: Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul, 15., 2014. Anais. Palhoça (SC), 2014. Disponível em: http://www.portalintercom.org.br/anais/sul2014/resumos/R40-1334-1.pdf. Acesso em: 20 maio. 2017.

NEIVA, E. Dicionário de comunicação e multimídia. São Paulo: Publifolha, 2013.

PLANTIN, C. Analyse et critique du discours argumentatif. In: KOREN, R.; AMOSSY, R. (Orgs.) Après Perelman: quelles politiques pour les nouvelles rhétoriques? Paris: L‟Harmattan, 2002. p. 229-263.

PLANTIN, C. L’argumentation. Paris: PUF, 2005.

PLANTIN, C. A argumentação: histórias, teorias, perspectivas. Trad. Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

PLANTIN, C. A Argumentação biface. Muniz Proença Lara G., Machado I. L., Emediato W. Análises do discurso hoje, v. 2, Lucerna, pp.14-26, 2009.

PLANTIN, C. Les bonnes raisons des émotions: Principes et méthode pour l'étude du discours émotionné. Peter Lang Publishing Group, 2011.

PLANTIN, C. Dictionary of argumentation: an introduction to argumentation studies. Milton Keynes: Lightning source, 2016.

ROJO, R.; MOURA, E. Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola, 2012.

SILVA, E. L. da. MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. ed. rev. atual. Florianópolis: UFSC, 2005.

SLOAN, L.; QUAN-HAASE, A. SAGE: Handbook of Social Media Research Methods. City Road, London: SAGE Publications Ltd, 2017.