Integração entre diferentes premissas teóricas na Grammatica portugueza, de Júlio Ribeiro

Mairus Antonio Prete

Resumo

A Grammatica portugueza, de Júlio Ribeiro, é citada, com frequência, pela literatura especializada como obra na qual seu autor substituiu e/ou tentou substituir a premissa teórica racionalista, de que a linguagem manifesta o pensamento, por outras premissas oriundas de novas correntes de estudos linguísticos surgidas na Europa, no século XIX, denominadas positivistas. Neste ensaio, o objetivo é revisitar essa discussão com o propósito de comprovar a hipótese de que alguns elementos constituintes da obra de Júlio Ribeiro, como a divisão de conteúdo, as definições das classes de palavras e de sentença, não indicam substituição total ou parcial da premissa racionalista por essas ditas positivistas, mas a integração dessas diferentes premissas teóricas em uma teorização uniforme e coerente. Essa hipótese é fundamentada no princípio estipulado em Auroux (2006 e 2009), de que o conhecimento se acumula na longa duração do tempo e, por conseguinte, as inovações e transformações do conhecimento são decorrentes do processo de acumulação, nunca de simples substituições de premissas teóricas antigas por novas

Referências

ALLEN, A; CORNWELL, J. A new English grammar, with very copious exercises, and a systematic view of the formation and derivation of words. London: Simpkin, Marshall & Con., 1841.

AQUINO, J. E. Júlio Ribeiro na história das ideias linguísticas no Brasil. 354p. Tese (Doutorado) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2016.

ARNAULD, A; LANCELOT, C. Gramática de Port-Royal. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

AUROUX, S. Les modes d’historicisation. Histoire Épistémologie Langage, v. 28, n. 1, p. 105-116, 2006. DOI http://dx.doi.org/10.3406/hel.2006.2869.

AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramatização. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.

AYER, C. Grammaire comparée de la langue française. 4a ed. Bale, Genève e Lyon: H. Georg, Libraire-Éditeur, 1876.

BAIN, A. Higher English grammar. London: Longmans, Green, and Co. 1863.

BASTIN, J. Étude philologique de la langue française ou grammaire comparée et basée sur le latin. St. Pétersbourg, Chez les principaux libraires, 1878.

BURGGRAFF, P. Principes de grammaire générale.Liége, imprimerie de H. Dessain, 1863.

CAVALIERE, R. Uma proposta de periodização dos estudos linguísticos no Brasil. Alfa, São Paulo, n. 45, p. 49-69, 2001.

CHASSANG, M. A. A. Nouvelle grammaire grecque, d'après les principes de la grammaire comparée. Paris, Garnier Frères, Libraires-Editeurs, 1872.

DOMINICY, M. La programme scientifique de la grammaire générale. In: AUROUX, S. Histoire des idées linguistiques: l'hégémonie du comparatisme. Paris: Mardaga, 1992.

FÁVERO, L. & MOLINA, M. As concepções linguísticas no Século XIX: a gramática no Brasil. Rio de Janeiro, Lucerna, 2006.

GOMES, A. Grammatica Portugueza. 15. ed. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1913[1887].

GUIMARÃES, E. Sinopse dos estudos do português no Brasil. Relatos, Campinas, n. 1, 1994. Disponível em: https://www.unicamp.br/iel/hil/publica/relatos_01.html. Acesso em: 11 outubro 2021.

HOVELACQUE, A. La linguistique. Paris: C. Reinwald et Cie, Libraires-Éditeurs, 1876.

KOERNER, E. Positivism in 19th and 20th century linguistics. In: KOERNER, E. Amsterdam studies in the theory and history of linguistic science. v. 50 (Practicing linguistic historiography). Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, 1989. DOI https://doi.org/10.1075/sihols.50

KOERNER, E. The natural science impact on theory formation in 19th and 20th century linguistics. In: KOERNER, E. Amsterdam studies in the theory and history of linguistic science. v. 50 (Professing linguistic historiography). Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, 1995. DOI https://doi.org/10.1075/sihols.79

LEITE, M. Q. Tradição, invenção e inovação em gramáticas da língua portuguesa – séculos XX e XXI. In: CASSEB-GALVÃO, V. C.; NEVES, M. H. Gramáticas contemporâneas do português. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

LEITE, M. Q. Partes do discurso/Classes de palavras: um estudo das ideias sobre a interjeição em gramáticas portuguesa. Revista de Estudos Linguísticos da Universidade do Porto, v. 11, p. 199-225, 2016.

MASON. C. P. English grammar; including the principles of grammatical. London: Bell & Sons,1858.

MORAES SILVA, A. de. Epitome de grammatica la lingua portugueza. Rio de Janeiro: Typographia de Silva Porto & C, 1824[1806].

PARREIRA, A. Contribución a la historia de la gramática brasileña del siglo XIX. 488p. Tese (Doutorado) – Facultad de Filología, Universidad de Salamanca, Salamanca, 2011.

POLACHINI, B. S. Verbos impessoais e unipessoais em gramáticas brasileiras oitocentistas do português. Revista argentina de historiografía lingüística, v. 8, n. 1, p. 55-67, 2015.

POLACHINI, B. S. Uma história serial e conceitual da gramática brasileiras oitocentista de língua portuguesa. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2018.

PRETE, M. A. Influência da gramática filosófica no conceito de verbo em gramáticas brasileiras. Linha D'agua, v. 32, p. 175-193, 2019. DOI https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v32i1p175-193. Acesso em: 13 set. 2021.

RIBEIRO, J. Grammatica portugueza. 2. ed. São Paulo: Livraria Francisco Alves & Cia, 1885.

RIBEIRO, J. Grammatica portugueza. São Paulo: Jorge Seckler, 1881.

SILVA JR., M. P.; BOAVENTURA P. L. A. Grammatica da Lingua Portugueza. 2. ed. São Paulo: Livraria Classica de Alves & C, 1894[1887].

WHITNEY, W. D. Essentials of English grammar. Boston: Ginn & Co., 1877 [1870].