Resumo

As avaliações externas são constantemente desafiadas a informar exatamente o que o teste avalia e a pertinência do uso de seus resultados. Neste trabalho, discuto como os subcomponentes da habilidade oral do Celpe-bras interagem para construção da nota do avaliador-observador. A escala é compostas pelos seguintes itens: compreensão, competência interacional, fluência, adequação lexical, adequação gramatical e pronúncia. Com o objetivo de estudar as propriedades desses itens e relacioná-las aos descritores da grade e à tarefa de avaliação oral, apresentei uma análise das medidas de dificuldade e discriminação de cada um dos itens, apoiando-me no modelo da habilidade comunicativa da linguagem de Bachman (1990). O modelo Rasch básico na extensão Partial Credit Model foi utilizado para a análise dos itens. O corpus é composto por notas de 1.000 participantes da primeira edição de 2016. Após a análise, argumento que a tarefa interfere na forma como os subcomponentes da habilidade linguística interagem. Além disso, os dados sugerem que a competência linguística seja mais determinante para classificar os examinandos nas faixas mais elevadas do exame do que os subcomponentes da competência estratégica, e ainda, que a compreensão seja um requisito para o examinando demonstrar um desempenho adequado nas faixas de classificação do exame.