Resumo

Esta resenha foi gerada a partir da conferência do Professor Rainer Enrique Hamel, na Abralin ao vivo, no dia 29/05/2020. Pretendemos problematizar o caráter homogeneizante da língua inglesa, uma vez que seu monopólio pode não somente influenciar estruturas linguísticas, mas principalmente estruturas discursivas e modelos culturais de um povo. O inglês, chamado de língua hipercentral, não tem apenas ocupado um lugar de destaque na área da Ciência, mas também “expulsado” as línguas supercentrais como se fosse um processo natural. Esse tempo de pandemia tem servido para nos mostrar que se a Ciência continuar caminhando separada da sociedade sofreremos consequências desastrosas. Observaremos alguns aspectos da prática científica pautada pela falaciosa análise bibliométrica.