Resumo

Este texto apresenta a história da aprendizagem de línguas mediada por computador no Brasil, discutindo experiências passadas e atuais e fazendo previsões para o futuro. O artigo mostra que a proposta de Warschauer (1996) de três fases para a história de do uso de tecnologias no ensino de línguas (behaviorista, comunicativa e integrativa) não é adequada para descrever o que aconteceu no Brasil por causa da chegada tardia dos computadores nas escolas. Também demonstra que o interesse pelas tecnologias digitais tem crescido e tem havido um aumento expressivo de publicações neste campo em livros e edições especiais de periódicos. Após as previsões para o futuro do uso de tecnologia, o texto conclui que não há necessidade de apagar práticas antigas, mas eficientes. No entanto, é preciso haver engajamento em novas formas de aprender e ensinar, de interagir e de criar conhecimento.