Resumo

O presente artigo investiga os efeitos do processo de escolarização no uso da concordância verbal por falantes que passaram pelo processo de letramento durante a Educação Básica. O objetivo é duplo: por um lado, pretende-se compreender os padrões de concordância verbal usados por falantes letrados e, por outro, deseja-se discutir a adequação das propostas de Roeper (1999) e Kato (2005) ao fenômeno estudado. A metodologia utilizada foi a análise variacionista dos padrões de concordância verbal usados em textos escritos por alunos oriundos da EJA e do ensino regular, recolhidos em provas do ENEM (Zandomênico 2018), e a posterior comparação entre os resultados obtidos com os resultados de estudos variacionistas anteriores (Naro 1981, Scherre & Naro 1998, Vieira 2011, Graciosa 1991, Berlinck et al. 2009). Os resultados da análise levam à conclusão de que, em relação à concordância verbal, a hipótese mais adequada para dar conta do fenômeno estudado – a concordância verbal na gramática do letrado – é a das gramáticas múltiplas, de Roeper (1999), em que se defende que todos os falantes possuem um conjunto de minigramáticas para serem usadas em diferentes domínios.