Relação gestos/sinais em Libras: uma análise baseada no contínuo de Cornelia Müller

Marcelo Porto

Resumo

No início dos estudos das línguas de sinais, os pesquisadores limitaram-se a argumentar sobre a dimensão sistêmica dessas línguas, sem considerar a questão da gestualidade. Atualmente, entretanto, o estatuto da gestualidade nos estudos das línguas de sinais tem se tornado objeto de reflexão com a ascensão de diferentes perspectivas teóricas. Este trabalho situa-se nesse contexto e visa a refletir criticamente sobre a proposta teórica de Müller (2019) acerca da relação de gestos/sinais tanto no âmbito dos estudos de línguas orais quanto no das de sinais, explorando sua teoria empiricamente na Língua Brasileira de Sinais (Libras). Müller (2019) propõe um contínuo gestual composto por gestos singulares, gestos recorrentes, emblemas e sinais, e tal proposta é discutida por meio de uma metodologia descritiva e interpretativa baseada em dados em Libras da “história da pera” criada pelo linguista Wallace Chafe (1980) em Libras. Os resultados indicam a possibilidade de a maioria das ações manuais na narrativa atenderem aos critérios de convencionalidade, composicionalidade e relação forma-significado definidos pela autora, mas também levantam questões no que diz respeito às realizações de boias e de sinais em contextos de ação construída em Libras. Como conclusão, apontamos para a insuficiência de uma abordagem gestual de cunho “lexicalista” para explicação dos fenômenos gestuais que ocorrem no campo discursivo das línguas de sinais e da Libras, na qual esta análise se baseia.

Referências