Frequência lexical dos ataques ramificados CCV em Português Brasileiro: comparando a fala adulta, a fala dirigida à criança e a fala infantil nos corpora FI e FDC

Andressa Toni

Resumo

Este artigo apresenta à comunidade linguística o Corpus de Fala Infantil (Corpus FI) e o Corpus de Fala Dirigida à Criança (Corpus FDC), uma nova base de dados voltada aos estudos sobre Aquisição da Linguagem. Estes corpora foram compilados a partir do banco de dados longitudinais de Santos (2005) utilizando as ferramentas computacionais de Benevides e Guide (2016). Os corpora consistem em uma lista de frequências contendo informações fonológicas (transcrição fonológica, transcrição acentual, estrutura silábica, categoria acentual) e morfológicas (categoria lexical e lema) das palavras coletadas na fala de 3 crianças (Corpus FI) e de seus cuidadores (Corpus FDC). Para divulgar esses corpora de acesso livre, este artigo i) descreve a metodologia utilizada em sua compilação e manuseio; e ii) oferece um exemplo sobre como estes corpora podem contribuir às pesquisas sobre o desenvolvimento linguístico infantil. Para tanto, comparamos as frequências segmental e prosódica das sílabas CCV (Consoante1+Consoante2+Vogal) na fala adulta, na fala dirigida à criança e na fala infantil demonstrando como a frequência do input influencia o percurso da aquisição fonológica. Os resultados apontam congruência na composição prosódica e segmental dos corpora, com CCV majoritariamente ocupando posições de saliência prosódica e apresentando concentração em sequências consonantais específicas. Dada a baixa frequência geral de CCV, baixo número de pares mínimos CV-CCV e existência de contextos de baixa transparência fonológica, defendemos que o input é um fator que contribui ao longo percurso de aquisição deste tipo silábico, que surge na fala infantil antes dos 2;0 anos e só se estabiliza entre 5;0-6;0 anos.

Referências

BENEVIDES, A.; GUIDE, B. Corpus ABG (2016). Disponível em https://github.com/SauronGuide/corpusABG (acesso em 1/05/2020).

BONILHA, G. F. G. Aquisição dos ditongos orais decrescentes: uma análise à luz da Teoria da Otimidade. Dissertação (Mestrado em Letras), Faculdade de Letras, UCPel, 2000.

CLEMENTS, G.. The role of features in phonological inventories. In: RAIMY; CAIRNS (orgs.) Contemporary Views on Architecture and Representations in Phonology. Cambridge: MIT Press, 2009, p. 19-68.

CUI, A. The Emergence of Phonological Categories. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade da Pensilvânia, Filadélfia, EUA, 2020.

DRESHER, E. On the Acquisition of Phonological Contrasts. In: van KAMPEN; BAAUW (eds.), Proceedings of GALA 2003, Volume 1 (LOT Occasional Series 3), Utrecht: LOT, 2004, p. 27-46.

ESTIVALET, G. L.; MEUNIER, F. The Brazilian Portuguese Lexicon: An Instrument for Psycholinguistic Research. PLOS ONE, v. 10, n. 12, 2015, p. 1-24. Disponível em: http://www.lexicodoportugues.com/ (acesso em 29/12/2020)

FREITAS, M. J. Aquisição da estrutura silábica no Português Europeu. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal. 1997.

GAMALLO, M. G. FreeLing e TreeTagger: um estudo comparativo no âmbito do Português, ProLNat Technical Report, vol. 01, 2013, p. 1-20. Disponível em: http://gramatica.usc.es/~gamallo/artigos-web/PROLNAT_Report_01.pdf.

GOLDSTEIN, L. Emergence of discrete gestures. Proceedings of the 15th International Congress of Phonetic Sciences. Barcelona, Espanha, 3-9 de Agosto 2003. Universidade Autônoma da Barcelona.

LAMPRECHT, R. et al. Aquisição fonológica do Português: perfil de desenvolvimento e subsídios para terapia. Porto Alegre: Artes Médicas, 2004.

LANY J., AND SAFFRAN J.R. Statistical Learning Mechanisms in Infancy. In: RUBENSTEIN J. L. R. and RAKIC P. (ed.) Comprehensive Developmental Neuroscience: Neural Circuit Development and Function in the Brain, volume 3, Amsterdam: Elsevier, 2013, p. 231-248.
LEVELT, C.C.; VIJVER, R., van de. Syllable types in cross-linguistic and developmental grammars. In KAGER, R., PATER, J., ZONNEVELD, W. (Eds.) Constraints in phonological acquisition. Cambridge: Cambridge University Press, 2004. p. 204-218.

MATTOS E SILVA, R. O Português Arcaico - fonologia, morfologia e sintaxe. São Paulo: Contexto, 2006.

NEWPORT, E.; GLEITMAN, H.; GLEITMAN, L. Mother, Id rather do it myself: Some effects and non-effects of maternal speech style. In: SNOW & FERGUSON (eds.), Talking to Children. Cambridge University Press, 1977, p. 109-149.

PESSOA, L. F.; MOURA, M. L. S.. Fala materna dirigida à criança em cenários comunicativos específicos: um estudo longitudinal. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 27, n. 4, p. 439-447, 2011.

PIERREHUMBERT, J. B. Exemplar dynamics: Word frequency, lenition and contrast. In: BYBEE & HOPPER (Eds.), Typological studies in language, John Benjamins Publishing Company, 2001, p. 137-157.

RASO, T., & MELLO, H. (Eds.). (2012). C-oral-Brasil I: corpus de referência do português brasileiro falado informal. Belo Horizonte: Editora UFMG. Disponível em: http://www.c-oral-brasil.org/ (acesso em 29/12/2020)

RIBAS, L. Aquisição do Ataque Complexo. Dissertação (Mestrado em Letras), Porto Alegre: PUCRS, 2002.

RICHARDS, B. J. Child-directed speech and influences on language acquisition: Methodology and interpretation. In: GALLAWAY & RICHARDS (Eds.), Input and interaction in language acquisition. Cambridge University Press, 1994, p. 74–106.

SANTOS, R.S.. Aquisição da estrutura silábica. Letras de Hoje, Porto Alegre, n. 112, 1998, p. 91-98.

___________. A aquisição do ritmo em português brasileiro. Projeto USP, 2005

___________. (2017). A aquisição do padrão acentual e o input. Revista Matraga, v. 24, n. 41, p. 310-340.

SARDINHA, T. B. Linguística de Corpus: Histórico e Problemática. DELTA, v. 16, n. 2, 2000. p. 323-67.

SILVEIRA, K. A. Padrões segmentais, lexicais, silábicos, intra-silábicos e inter-silábicos em crianças falantes de PB. Tese (Doutorado em Letras), Universidade Federal da Bahia, 2006.

TANG, K. A 61 million word corpus of Brazilian Portuguese film subtitles as a resource for linguistic research. UCL Working Papers in Linguistics, n. 24, 2012, p.208–214. Disponível em: http://meshugga.ugent.be/open-lexicons/interfaces/pb-subtitles-unigram/ (acesso em 29/12/2020)

TONI, A. Representação subjacente do ataque ramificado CCV na aquisição fonológica. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade de São Paulo, 2016.

________. Sílabas de ataque ramificado CCV em Português Brasileiro: produtivas ou lexicalizadas?. Quintú Quimün, n. 4, 2020, p. 1-37.

VIGÁRIO, M., S. FROTA, F. MARTINS & M. CRUZ. Frequência na Fonologia do Português: recursos e aplicações. In: COSTA & DUARTe (eds.). Nada na linguagem lhe é estranho. Estudos em homenagem a Isabel Hub Faria. Porto: Edições Afrontamento, 2012, p. 613-631.

YANG, C. The price of linguistic productivity: How children learn to break the rules of language. Cambridge, MA: The MIT Press. 2016. 280p.