Discursos sobre a fala feminina no Brasil contemporâneo

Amanda Braga,
Carlos Piovezani

Resumo

O artigo analisa tanto discursos que conservam estigmas e depreciações da fala feminina quanto discursos que se contrapõem a tais estigmas e depreciações. Para tanto, valendo-se de pressupostos teóricos e de procedimentos metodológicos da Análise do discurso, examinam-se enunciados produzidos no Brasil contemporâneo a respeito do exercício oratório feminino. O objetivo aqui é o de demonstrar que, a despeito das profundas transformações históricas agenciadas pela cultura Ocidental e, consequentemente, dos deslocamentos sofridos pelas próprias condições de produção dos discursos, as discriminações da fala feminina consolidaram-se de tal modo e com tal força que continuam a se perpetuar em nossos dias, a despeito dos diversos meios, veículos e gêneros textuais em que se materializam. Em conjunto com tal objetivo, há ainda o de indicar que, em oposição a essas discriminações de longa data, surgiram na sociedade brasileira de nossos dias posições igualitárias e feministas que lhes resistem, que as refutam e que se fazem ouvir.

Referências

ARAÚJO, Celso Arnaldo. Dilmês: o idioma da mulher sapiens. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 2016.

ARISTÓTELES. Retórica. Lisboa: Imprensa Nacional / Casa da Moeda, 2005.

BENVENISTE, Emile. Estruturas das relações de pessoa no verbo. In: BENVENISTE, E. Problemas de linguística geral. V. 1. Campinas: Editora da Unicamp / Pontes, 1995. p. 247-259.

BRITO, Ângela Ernestina Cardoso de; SOUZA, Anderson Luiz Ara; SILVA, Juliana Márcia Santos; MACIEL, Cássia Virgínia Bastos; QUEIROZ, Delcele Mascarenhas; PINTO, Elisabete Aparecida. A representação social das professoras negras pelos discentes da UFBA. Disponível em: <http://www.later.ufba.br/pesquisa.html>. Acesso em: 05 nov. 2018.

COURTINE, Jean-Jacques; PIOVEZANI, Carlos. (Org.). História da fala pública: uma arqueologia dos poderes do discurso. Petrópolis: Vozes, 2015.

FIORIN, José Luiz. Categorias da enunciação e efeitos de sentido. In BRAIT, Beth. (Org.). Estudos enunciativos no Brasil: histórias e perspectivas. Campinas: Pontes, 2001, p. 107-129.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 2001.

HOUAISS, Antonio. Grande dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

INDURSKY, Freda. A fala dos quartéis e as outras vozes. Campinas: Editora da Unicamp, 1997.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da Unicamp, 1997.

PIOVEZANI, Carlos. A voz do povo: uma longa história de discriminações. Petrópolis: Vozes, 2020.

RANCIÈRE, Jacques. A noite dos proletários: arquivos do sonho operário. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

RIBEIRO, Djamila. Meus pitacos sobre o desrespeito sofrido por Manuela D'ávila, no sofrível programa Roda Viva. Facebook, 27 jun. 2018. Disponível em: <https://www.facebook.com/djamila.ribeiro.1/posts/2039258612774353>. Acesso em: 01 nov. 2019.

ZOPPI-FONTANA, Mónica. Cidadãos modernos: discurso e representação política. Campinas: Editora da Unicamp, 1997.