Resumo

A pesquisadora canadense Dra. Ellen Bialystok apresenta dados a respeito do efeito do bilinguismo no cérebro ao longo da vida, atinentes às relações entre o domínio de mais de uma língua e os sistemas atencionais. Bialystok reflete sobre a falta de concordância sobre as vantagens bilíngues de estudos com adultos, elencando os fatos e mitos acerca do tema, como os problemas com a definição de bilíngue, as distintas faixas etárias dos participantes, os diversos contextos investigados, as limitações das tarefas e dos modelos de funções executivas e a difícil replicabilidade dos estudos, que levam as investigações a uma grande polêmica. A pesquisadora ressalta que os efeitos do bilinguismo no cérebro estão relacionados à reconfiguração dos sistemas atencionais. Bialystok sugere que o bilinguismo seja uma fonte de neuroplasticidade, a qual readapta os sistemas atencionais, acarretando em diferenças nas funções executivas encontradas nas pesquisas com bilíngues nos últimos anos, de fácil identificação e constatação principalmente em crianças e idosos bilíngues.