Resumo

David Bradley defende uma mudança de mentalidade no que se refere ao tratamento dado a línguas em perigo de extinção. Desta forma, “língua morta” não seria a expressão mais adequada, e sim “língua adormecida”, por exemplo. A partir de exemplos de línguas revitalizadas, como Lisu e Bisu, Bradley convida linguistas e não linguistas para reivindicar línguas com o intuito de proteger identidades culturais. Apesar do trabalho já realizado por estudiosos, o apresentador argumenta que pesquisas relacionadas a línguas em perigo de extinção devem contar com apoio governamental, juntamente a universidades e outras autoridades. Somente com forças conjuntas é que as línguas podem ser recuperadas e, assim, identidades culturais podem ser preservadas.