Resumo

Este estudo tem por objetivo compreender o processo de acomodação dialetal de africanos lusófonos residentes em João Pessoa (Paraíba), com base na Teoria da Acomodação da Comunicação (Giles et al., 1987) e nos aportes teórico-metodológicos da Teoria da Variação Linguística (Labov, 1972). O fenômeno fonológico que nos permitiu verificar os efeitos da acomodação foi a realização da lateral pós-vocálica, pelo fato de que esse segmento marca claramente a diferença entre os dialetos em estudo. A vocalização da lateral é característica da variedade brasileira, enquanto que a manutenção da lateral é característica do português de Cabo Verde e da Guiné-Bissau (países cujos informantes foram observados neste estudo). O corpus foi constituído por 7 informantes entre 20 e 30 anos, provenientes da Guiné- Bissau e Cabo Verde, e residentes na cidade de João Pessoa. Os dados coletados, a partir de entrevistas, foram submetidos a um tratamento estatístico através do Goldvarb X (Sankoff; Tagliamonte; Smith, 2005) e, em seguida, analisados quantitativamente. Além disso, investigamos as atitudes linguísticas que os informantes apresentaram com relação ao dialeto de origem e estrangeiro, bem como o grau de identificação cultural com relação à cultura de origem e nova. Os resultados revelaram que as variáveis país de origem e tempo de exposição foram as mais relevantes estatisticamente. Concluímos que há um processo de acomodação entre os indivíduos investigados, verificado em quase um terço da totalidade de ocorrências.