Resumo

Uma análise estatística das frequências de co-ocorrência CV em crianças de 0;7 a 2;2, mostra que a sua variabilidade tem determinantes fônicos e não-fônicos. Do lado fônico, há uma ligeira preferência por pares CV formados, respectivamente, por consoantes labiais, coronais e dorsais, e vogais centrais, anteriores e posteriores. Do lado não-fônico, prevalecem os fatores sujeito, tipo de cômputo e relevância pragmática.